"Get information and do business"
:Follow us
Follow us on Facebook Follow us on Twitter Follow us on Linkedin Follow us on Google+

Brasil: Brasil: IV CBJA: “Não há energia santa”, afirma Luiz Pingueli Rosa

Published at: 22/11/2011
source: http://envolverde.com.br
Channels:
Countries:

Tags:
published by

Os impactos ambientais e sociais e os potenciais das diversas energias disponíveis foram abordados pelo físico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Luiz Pingueli Rosa, que também é secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas. Ele palestrou sobre ciência e inovação para uma sociedade sustentável na manhã desta sexta-feira (18/11), no Rio de Janeiro, durante o IV Congresso Brasileiro de Jornalismo Ambiental, que reúne, na PUC-RJ, mais de 500 pessoas, entre jornalistas e estudantes.

Os impactos ambientais e sociais e os potenciais das diversas energias disponíveis foram abordados pelo físico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Luiz Pingueli Rosa, que também é secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas. Ele palestrou sobre ciência e inovação para uma sociedade sustentável na manhã desta sexta-feira (18/11), no Rio de Janeiro, durante o IV Congresso Brasileiro de Jornalismo Ambiental, que reúne, na PUC-RJ, mais de 500 pessoas, entre jornalistas e estudantes.

Para o pesquisador, que diz discordar do veto às hidrelétricas, a sustentabilidade desse sistema é questionável, pois apresenta pontos positivos e negativos. Entre os positivos estão ser uma energia renovável, emitir mais poluentes do que a energia termelétrica e por hoje existir a possibilidade de as usinas serem construídas a frio d´água, com reservatórios minimizados, “porém com fator de reserva de água reduzido”, analisa. Já entre os aspectos negativos, Pingueli cita os impactos sociais e ambientais na construção e inundação de grandes áreas, a emissão de gases de efeito estufa, principalmente em regiões tropicais, e o fato de ter baixa capacidade, que no Brasil é em média de pouco mais de 50%. “No caso da polêmica hidrelétrica de Belo Monte, o fator de capacidade é baixo, de apenas 42%”, diz.

“O Brasil usa um terço do potencial hidrelétrico, assim como usamos também um terço da cana-de-açúcar para a produção de etanol”, analisa Pingueli, ao destacar que o uso desse biocombustivel ultrapassou a gasolina. Ele lamenta que hoje o Brasil importe etanol de milho dos Estados Unidos, “o que é um vexame diante das emissões de gases de efeito estufa”.

Alternativas

Para Pingueli, a biomassa e a energia eólica, por serem sazonais, poderiam ser complementares às hidrelétricas. A projeção de crescimento da energia eólica no Brasil é de 529%, entre os anos de 2010 e 2015. Em segundo e terceiro lugares, estão as energias a carvão e óleo, “o que é ruim”, afirma, ao observar que o carvão vegetal tem substituído o mineral, tendo, como impacto negativo, o desmatamento.

As outras formas de energia também foram analisadas por Pingueli, que afirmou não existir energia santa, pois todas geram impactos. As termelétricas, então, são ineficientes e muito poluidoras. “O governo não deveria investir nas nucleares, pela insegurança, mas já que Angra 3 está em desenvolvimento, que seja concluída direito”, alerta.

Pingueli é um defensor da energia a partir dos resíduos sólidos. “O lixo como energia traria impactos positivos na eliminação dos lixões”, diz, ao defender ainda o repasse de royalties para pescadores, agricultores e comunidades indígenas atingidos por hidrelétricas e outras formas de energia. “É preciso investir em tecnologias. O Brasil leva um banho de dez a zero dos asiáticos e coreanos, que priorizam não apenas estudar, mas aplicar as tecnologias. Deveríamos investir mais”, finaliza.

Get market info about
Do business in
You want to read more about other markets?

Please choose the country you are interested in:


close x

This site in other countries